terça-feira, 30 de setembro de 2014

A ADICÇÃO TEM CURA??? A IBOGAÍNA CURA A ADICÇÃO?




0lá meus queridos!!!
Como vocês estão? Quero primeiramente desculpar-me pela ausência, por ter ficado estes dias sem postar. Graças a Deus está tudo bem por aqui, mas as vezes com a correria do dia a dia não nos sobra tempo para nada.
Bem, vou começar respondendo esta pergunta que muitas pessoas estão fazendo a respeito da ibogaína, e se ela cura a adicção como muitos estão prometendo pela internet afora. Vou deixar aqui a ''MINHA OPINIÃO'' sobre este assunto. Deixando bem claro que isto é o que EU penso, não quer dizer que eu esteja certa, nem que eu não possa mudar de opinião caso alguém chegue e me prove o contrário.
Afinal temos que ter a mente aberta e reconhecer com humildade, que a vida é uma eterno aprendizado, e cada dia que vivemos aprendemos algo novo. Ninguém nasce sabendo tudo ou morre sabendo tudo...Tudo é aprendido. O que as pessoas tem dentro de si, um dia esteve fora. Nascemos é com um potencial infinito de aprendizagem.

A pergunta é: -Adicção tem cura??? A Ibogaína cura a adicção?
Bem, vamos lá?
Em primeiro lugar para que eu possa responder esta pergunta, teria que responder: O que é adicção?
Na minha humilde opinião, achei que seria interessante explicar a minha vaga noção desta doença.
Adicção é uma doença primaria, ou seja, existe por si só, não deriva de nenhuma outra. Há quem defenda que o adicto  já nasce portador desta doença denominada ''adicção''. O que eu concordo, pois desde muito cedo o adicto revela uma série de comportamento desviantes.
É também, crônica, progressiva e fatal. Crônica, porque não existe a cura, uma vez adicto sempre adicto. Progressiva, porque vai se agravando com o tempo. E de determinação fatal, que mata desmoralizando. 
A adicção é caracterizada, por quatro aspectos fundamentais: Negação, Obsessão, Compulsão e Egocentrismo. Há diversos tipos de adicções, ela pode ser por: Drogas, álcool, jogos, sexo, internet, etc...
A negação tal como o nome indica, é uma falta de percepção de nossa própria realidade.
Obsessão é ter o pensamento única e exclusivamente centrado, alguns adictos quando não tem a droga de seu consumo, canalizam toda sua energia no objetivo de providenciar, e não descansa enquanto não consegue. Todos os adictos são de uma obstinação atroz, quando é bem canalizada, vão longe, e quando não é, tratam de se matar de inúmeras formas , muitas vezes convencidos de que estão no perfeito controle da situação e que o mundo se uniu para tramar contra eles.
A compulsão também faz parte da doença, e manifesta-se na incapacidade de parar uma vez que começa a ter um determinado comportamento. Um adicto, consegue até ficar períodos relativamente longos sem consumir a droga. Mas quando tomam a primeira dose, iniciam um novo ciclo, e só param quando o corpo entra em colapso. Uma é demais e mil não bastam.
A única solução para um adicto viver com qualidade de vida ( em recuperação) é a abstinência total de qualquer tipo de droga.
O egocentrismo está muito patente em um adicto (na ativa), eles vivem como se ninguém mais existisse, em função de seu prazer. Um adicto na ativa, só pensa nele, depois nele, e finalmente nele.
Outro aspecto fundamental da adicção, é a diferença entre estar limpo e estar em recuperação.
Quem está limpo não necessariamente está em recuperação. Limpo, é unica e exclusivamente a abstinência da droga. Um adicto pode estar limpo das drogas e continuar a mentir, roubar, manipular meio mundo para conseguir seus interesses, etc.
Na adicção é fundamental uma mudança a nível comportamental, mudança de atitudes. O adicto limpo simplesmente não usa drogas, o resto está tudo lá: - Desonestidade, manipulação, comportamentos compulsivos, falta de paz, insatisfação permanente, etc.
Estar em recuperação, é ser honesto em tudo que se faz, preocuparmos com quem nos rodeia, é ser humilde e lembrarmos de onde viemos, é ter boa vontade para ajudar quem precisa, sempre colocando em primeiro lugar sua recuperação. Um adicto em recuperação, tem em grande parte do tempo sua consciência tranquila, porque sabe que fez sua parte. Quando está em recuperação, ele fica sempre atento aos seus comportamentos e atitudes, evitando frequentar locais de uso, isolamento, amizades do tempo da ativa...
A adicção por ser uma doença compulsiva, faz o adicto ter uma falta de controle e obsessão que faz com que ele tome decisões levadas por imediatismo, e sua compulsão, não o deixa parar levando a um nível de sofrimento que ele se afasta e se isola acreditando que todas as pessoas são diferentes dele, e que o mundo deveria ser como ele deseja.
Esta doença e suas características, se revelam muito antes as vezes de sequer o adicto saber o que vem a ser um ''baseado''. Em alguns de forma imperceptível, em outros de forma mais aparente.
Existem muitos adictos que nunca sequer usaram drogas, nem por isso deixam de ser adictos.
A Organização Mundial de Saúde, reconhece a adicção como doença. Por definição, o diabete, ou a pressão alta, a doença da adicção não é culpa do adicto. Como já disse muitas vezes neste blog, um adicto não é um sem moral, um sem vergonha, um mal caráter. Portanto ao tratar a Dependência química, a questão não é somente a droga em si. A grande questão é a mudança do individuo, a conscientização e a interiorização de sua condição de doente, e a prática de uma solução para estagnar esta doença. É uma doença que atinge o espiritual, o emocional, os comportamentos e o físico. A mudança tem que ser em todas as áreas, o equilíbrio destas partes é muito importante e primordial para o sucesso. 
Bom meus queridos , eu acredito que:- Não existe cura para adicção. Acredito que o adicto possa estacionar a doença e viver em recuperação, conheço vários adictos que estão a muitos anos limpos e em ''recuperação''.
Portanto eu coloquei aqui todas estas questões, porque apesar de muitos familiares e adictos saberem de cor e salteado tudo o que relatei aqui, existem muitas pessoas que ainda desconhecem completamente a doença, muitos familiares que começaram a pouco tempo conviver com o problema da dependência química de seus familiares adictos. E venho aqui alertar a todos vocês meus queridos, que fiquem espertos, e desconfiem destes tratamentos milagrosos que dizem curar a adicção. NÃO existe a cura ( pelo menos por enquanto).
Algumas pessoas de minha rede social (Donos de clínicas), me excluíram e até me bloquearam, simplesmente por eu estar relatando aqui em meu blog o tratamento que meu marido fez com a Ibogaína, pessoas que tem a mente fechada e não estão dispostas a sequer pesquisar mais sobre o assunto para depois dizer se é contra ou a favor do tratamento. Pessoas que pensam que já sabem tudo, e qualquer pessoa que pense diferente do que elas ''acreditam'' ser o certo, simplesmente ela excluí de suas vidas, sem sequer conversar a respeito do assunto. Isso para mim é imaturidade e falta de humildade. Eu respeito a opinião das pessoas e tenho muitos amigos que não acreditam no tratamento com a Ibogaína, nem por isso eu exclui ou bloqueei estas pessoas do meu ciclo de amizade.

Entendo a grande maioria não acreditar no tratamento por parecer uma espécie de ''milagre''... Afinal a pessoa faz o tratamento durante uma semana, e sai da clínica completamente livre das crises de abstinência e fissuras que levam a grande maioria dos dependentes químicos a recaírem. A pessoa simplesmente perde totalmente o desejo pelo uso da droga. Não conseguem sequer se imaginarem novamente fazendo o uso.( assim eles dizem)
Assim como todos vocês meus queridos, eu também não sou de acreditar em tratamentos milagrosos, ainda mais se tratando de uma doença tão complexa como a adicção. E foi justamente por isso que demorei tanto para tomar a decisão de fazermos este tratamento, vamos ver se realmente funciona, e se de fato é tão bom como dizem centenas de pessoas que já fizeram e permanecem limpos até o dia de hoje.
Quem acompanha meu blog, pode ver quantas tentativas eu e meu marido já fizemos em busca da tão sonhada recuperação, posso dizer a vocês que a única vez que meu marido ficou limpo, e em recuperação por um bom tempo ( 2 anos e 8 meses) foi quando ele resolveu frequentar uma igreja.
Claro que em todos estes 16 anos de dependência química do meu marido, ele já logrou por outros bons períodos em que permaneceu ''limpo'', mas não em recuperação. Pois as crises de abstinência eram constantes, o que o deixava com um péssimo humor, depressivo e angustiado. Era uma luta diária que ele travava contra si mesmo para permanecer limpo. Pude acompanhar por todos estes anos suas tristezas e frustrações. Era tudo muito difícil, principalmente por ele ser dependente cruzado( alcoolista e drogadicto).
Em quase todos os lugares que existe no planeta,tem a bebida alcoólica. Praticamente não tínhamos vida social.
Pouco antes dele fazer o tratamento dia 09-09-2014, ele estava vivendo na ativa, bebendo todos os dias e tendo uma recaída após a outra (na droga).
Quem acompanha o blog, sabe que eu já estava procurando uma casa para nos separarmos, pois já não suportava mais viver naquela situação.
Por mais que eu estivesse em recuperação, e não permitisse que o comportamento insano dele me afetasse tanto quanto antes, tinha minha filha e minha neta que não mereciam viver neste ambiente caótico que é a convivência com um adicto na ativa.
Meu marido passou por 9 internações que não surtiram efeito, fez diversos tratamentos com medicações, passou várias vezes pelo psicólogo, fez terapias, participou do Narcóticos anônimos, e para ele nada disso o mantinha limpo por muito tempo. E  quando ele conseguia permanecer limpo por algum tempo, a convivência se tornava insuportável, pois parecia que ele queria descontar todas suas frustrações por não estar fazendo o uso de suas drogas de preferência na nossa família. Acordava irritado, tinha alterações de humor inexplicáveis, ataques de grosseria sem motivo, crises de auto piedade, manipulava, fazia chantagens emocionais, agia com infantilidade, e ficava todo o tempo depressivo. Chegava a ser pior a convivência com ele nas crises de abstinência do que a convivência com ele na ativa. A família tem que ter muita estrutura ( e uma paciência de Jó) para suportar passar por tudo isso e manter a serenidade.
Conheço pessoas que conseguiram entrar em recuperação depois de uma internação e permanecem limpos até hoje, como conheço muitas que só frequentam o NA e conseguem viver em recuperação praticando os passos, outras buscaram a espiritualidade, e também conseguiram permanecer limpos e em recuperação, também tem os que conseguem viver em recuperação, fazendo o uso de medicamentos e terapias pelo CAPS, enfim, quando o assunto é dependência química, não existe uma receita de bolo que pode ser seguido por todos. 
Agora eu pergunto a vocês meus queridos: -E quando os familiares já tentaram todos estes recursos e ainda assim o adicto não consegue permanecer limpo e em recuperação???

Acredito que toda ferramenta que auxilia na recuperação da dependência química é valida e devemos tentar.
Infelizmente se formos nos apegar as estatísticas, vamos desanimar, pois o índice de recuperação de dependentes químicos é baixíssimo, infelizmente esta doença é traiçoeira. As vezes, quando menos se espera, quando tudo parece estar bem, e a vida começa entrar no eixo novamente, depois de meses ou até mesmo anos de luta para permanecer limpo e em recuperação o adicto recaí. E com isso tudo se desmorona novamente. Não é assim?
Parece um pesadelo que não tem fim...Somente quem tem um familiar adicto pode entender o sentimento de impotência da família perante a doença.
Alguns donos de clínicas, são contra o tratamento com a Ibogaína pois infelizmente, visam somente o lucro e não a recuperação do dependente químico.
Meus queridos, eu não estou generalizando, conheço muitos profissionais sérios e competentes, donos de clinicas, e de comunidades terapêuticas, que realmente tem amor pelo trabalho, e tratam o dependente químico com dignidade e respeito, oferecendo o devido tratamento para que o adicto, entre de fato em recuperação.
Não estou aqui fazendo apologia ao uso da Ibogaína,(embora eu esteja acompanhando, a eficacia do tratamento até o presente momento) estou aqui relatando minha história, afinal foi com este propósito que criei este blog. Relatar a recuperação do familiar adicto, e do codependente. Aqui falo sobre a minha vida, falo sobre a minha história, os que me conhecem e acompanham minha história, sabem que meus relatos são verdadeiros, acompanharam nossa luta durante estes anos, nunca falaria sobre um determinado assunto no blog, se eu não tiver a certeza de que poderá edificar, ou ajudar de alguma forma algum familiar ou um adicto que ainda sofre nas garras da dependência química. Afinal de contas, eu sei bem o que é passar noites sem dormir, angustiada, com o medo e a preocupação de que algo terrível pudesse acontecer com meu familiar adicto. Sei como nós familiares, adoecemos junto com o adicto, por nos sentirmos impotentes e saber que nada podemos fazer para salvar a vidas de nossos queridos adictos. Sei o quanto é doloroso assistir o suicídio lento de quem amamos. 
Se tem algumas clínicas, que se sentiram ofendidas por eu estar postando a recuperação do meu marido após o tratamento com a Ibogaína, sinto muito por vocês, se fossem profissionais competentes e capacitados para trabalhar com a recuperação de dependentes químicos, não estariam tão preocupados com o simples fato de eu relatar se o tratamento realmente é eficaz ou não. Tenho certeza de que milhares de famílias, tem a mesma curiosidade que eu tinha até alguns meses atrás, a respeito deste tratamento. Porque não expor no blog a realidade do tratamento com a ibogaína? Existem pessoas que chegam ao cúmulo de dizer: ele optou pelo caminho mais fácil...Ele é um fraco, acomodado. Quem em sã consciência iria optar pelo caminho mais difícil??
Admiro os adictos guerreiros, que conseguem permanecer limpos e em recuperação ''na raça'', por anos participando somente do grupo praticando os passos, apenas com força de vontade e determinação, matando um leão por dia para se manter sóbrio. Por todos os relatos que já li em minha vida sobre recuperação de dependentes químicos, todos confessam que é muito difícil, e que é uma batalha diária, muitas vezes sofrida e dolorosa, para permanecer limpo e em recuperação.
Não vejo nada de errado, muito pelo contrário, em aliviar toda esta dor e sofrimento para manter a sobriedade, que o adicto carrega consigo por causa da doença. Afinal eles já sofrem tanto com todos os aspectos da doença. É muito mais fácil viver em recuperação, sem as crises de abstinência, sem as fissuras e o desejo incontrolável de usar drogas.
E se existe um tratamento, que é capaz de eliminar todos estes sintomas, porque não falar sobre ele?
Seria muito egoísmo da minha parte, querer o bem somente de meu familiar adicto. Nem todos os adictos conseguem se manter limpos, com internações, com NA, com tratamento no Caps, etc...Mas conseguem entrar em recuperação após o tratamento com a ibogaína e estão a anos limpos e em recuperação. Eu mesma já recebi diversos emails de adictos que fizeram este tratamento e hoje estão muito bem.
Se o tratamento com a Ibogaína é tão eficaz como se tem comprovado até o momento, porque não liberar este medicamento para ajudar a salvar milhares de vidas que estão nas garras das drogas?

Na minha opinião o medo destas ''clínicas'', a maioria clandestina. É de que realmente a Ibogaína cumpra o que promete, que é de 80% de chances de recuperação de dependentes químicos, de heroína, crack, cocaína, maconha e álcool. Porque na realidade, elas não estão preocupadas em salvar vidas, e nem com a recuperação dos adictos...Elas estão preocupadas somente com os ganhos que podem obter em cima do sofrimento dos familiares e dos dependentes químicos. Elas só querem saber de dinheiro, dinheiro e dinheiro... Lamentável.

Perdoem -me pelo desabafo, é que estou indignada com alguns absurdos que ocorreram no decorrer da semana por parte destas que se denominam ''clínicas de recuperação'', que exploram, mau tratam, e até mesmo agridem os adictos, e nem pensam em trabalhar realmente com base na recuperação.( falo por experiência própria). Esta semana mesmo, o irmão de uma amiga fugiu de uma destas clínicas clandestinas, por não haver o mínimo de estrutura para os adictos se recuperarem, para se ter uma idéia, os familiares internaram os adictos nesta ''clínica'' e depois de algum tempo eles ligaram comunicando aos familiares que iriam mudar de endereço por problemas de documentação do local, ou seja ao invés de regularizarem a situação, mudaram de endereço e continuaram trabalhando clandestinamente em um cubículo sem condições mínimas para tratar os adictos. 
Para piorar, eles nem ligaram para os familiares, para comunicar a fuga deste irmão de minha amiga, se não fosse ele ter ligado para pedir ajuda para ir embora, a família estaria sem saber notícias até agora.
Existem clínicas e comunidades terapêuticas de excelente qualidade, que trabalham com seriedade, profissionalismo, respeito pelo paciente e priorizam a recuperação e não somente o lado financeiro, são estas que nos ajudam na recuperação de nossos familiares adictos, admiro o trabalho destes profissionais. Precisamos das clínicas, precisamos das comunidades terapêuticas, precisamos do Caps, precisamos do Narcóticos Anônimos, precisamos das igrejas, precisamos dos grupos de ajuda para familiares, precisamos do nosso PODER SUPERIOR.
Todas as ferramentas de ajuda á prevenção e recuperação da dependência química, são válidas. Até mesmo porque nem todos podem fazer o tratamento com a Ibogaína.

Sozinhos não conseguimos, temos que levantar uma bandeira contra as drogas, temos que nos unir, temos que lutar para salvar cada vez um número maior de vidas, e não ficar com discussões idiotas de qual método de recuperação é o melhor.
O que pode ser bom para você, pode não ser bom para mim. Enquanto vocês ficam nesta disputa infantil e sem nexo de o que seria o melhor, e quiserem ser os donos da razão, nossos jovens e crianças estão morrendo, esposas estão ficando viúvas, filhos ficando órfãos, pais estão perdendo seus filhos amados, tudo por causa das drogas.

Desde que meu marido fez o tratamento com a Ibogaína, ele está limpo, nunca mais sentiu vontade de usar drogas, nem de beber, e também não quer nem saber do cigarro.
Está praticando exercícios físicos todos os dias.
Segundo ele me conta, ele se sente uma nova pessoa, ele diz que parece que todo aquele passado sombrio tivesse sido apagado de sua mente. Ele diz que se sente com a alma renovada.

Semana passada ele decidiu que iria fazer um serviço extra, no interior de SP.
Quem acompanha nossa história sabe que em todos estes anos eu sempre viajei ao seu lado, porque se ele saísse sozinho fatalmente tinha uma recaída. ( quem ler o blog vai constatar este fato) Essa era uma maneira de eu ''controlar'' a vida dele, achando que assim evitaria possíveis recaídas.
Durante muitos anos, ele realmente não conseguia mais sair sozinho, sem que houvesse uma recaída, decidimos que iríamos na quinta -feira e voltaríamos no sábado.
No dia de viajar decidi deixar ele ir sozinho, já que era para testar a eficácia do tratamento com a Ibogaína essa era uma ótima oportunidade, se ele conseguisse ir, fazer o serviço, e voltar para casa, realmente o negócio era bom...Não sou uma pessoa pessimista, também não sou uma pessoa otimista, em todos estes anos convivendo com a problemática da dependência química em meu lar, aprendi a ser ''realista'', sou muito pé no chão, não fico criando expectativas para não me decepcionar.

Por isso, fico todo o tempo observando as reações, os comportamentos dele, tudo para comprovar se realmente este tratamento é eficaz. ( confesso que sou meio tomé...tenho que ver para crer)
Bom, ele foi na quinta trabalhou um pouco e foi dormir na casa de um casal de amigos nossos que são evangélicos; Detalhe ele me mandava mensagens e fotos pelo whatsaap a todo tempo para mostrar que estava bem, coisa que ele nunca tinha o costume de fazer; dar satisfações.
E depois de trabalhar o dia todo, ainda foi ele que fez o jantar na casa de nossos amigos, minha amiga, me mandava mensagens dizendo que havia notado nitidamente uma mudança no comportamento dele, estava mais calmo, mais sereno.
Na sexta, ele trabalhou o dia todo, e decidiu vir embora para casa. Como são quatro horas de distância de onde ele estava para nossa casa, quando ele chegou na altura de São Paulo, ele estava exausto, e resolveu me mandar uma mensagem dizendo que iria dormir na casa da irmã.
Pronto! Neste momento confesso que acabou minha serenidade e comecei até passar mau... As vezes é inevitável nos sentirmos assim.

A irmã dele mora em uma cidade da grande São Paulo, e foi lá que ele começou a usar drogas, todos os primos dele são adictos, ou traficantes, e para ajudar, a irmã dele mora bem no meio de duas favelas da cidade, onde ele sempre ia usar quando estava na ativa.
Bem, não vou mentir que eu tive praticamente a certeza de que ele iria recair, afinal a IBOGAÍNA é um tratamento para recuperar um dependente químico, mas não faz milagres.
Ele nunca havia ido para casa da irmã uma única vez sequer, que não houvesse tido recaídas, e ele sempre estava comigo, imagina sozinho.
Chegando a casa da irmã dele, ele me mandou uma mensagem que havia chegado bem, iria tomar banho e dormir, afinal estava muito cansado e havia trabalhado e dirigido o dia todo. Tirou uma foto dele com a irmã, me mandou e foi dormir dizendo que no outro dia cedo viria para casa.
Nem dormi. Fiquei a noite toda pensando...Ele deve ter saído, deve estar usando droga agora, ele está com dinheiro, meu Deus, este tratamento foi tão caro, deveria ter ido com ele...Estes e outros pensamentos típicos de uma codependente na ativa, não saiam de minha cabeça, por mais que eu tentasse evitar. Fazia muitos meses que eu já não me sentia assim, mesmo nas recaídas eu mantinha a serenidade.
Amanheceu o dia e quando foi umas 7 horas da manhã, a irmã dele me ligou dizendo que ele tinha acabado de sair para vir embora, que tinha dormido bem a noite toda e que achou ele super bem.
Confesso que foi um alívio, resolvi ligar quando deu umas 8 horas para saber se ele já estava chegando. E para minha surpresa, ele disse que estava em São Paulo ainda.
Pronto, bateu o desespero de novo...São Paulo??? O que ele tinha para fazer em São Paulo?? ( Só podia ser Deus me testando...)
Ele me respondeu calmamente: - Estou aqui no Brás, dando uma olhada nas lojas e daqui a pouco vou embora. Me mandou até uma foto de onde ele estava no momento.
Quem mora em São Paulo, sabe que ali pelas redondezas do Brás, fica a Cracolândia, vocês já podem imaginar quantas coisas se passaram por minha cabeça nestes momentos, que para mim, pareceram uma eternidade. Garanto a vocês que nenhuma delas foi boa.

Bom, resumindo a história, ele chegou em casa na hora do almoço, chegou bem, sóbrio, com presentes para nós, comprou roupas para ele, e depois de 20 anos de casados, pela primeira vez ele comprou cobertas e utensílios para casa, ele nunca foi ligado nestas coisas...Sem contar que eu havia emprestado R$500,00 para ele viajar, ele me pagou quando chegou e ainda deu um dinheiro a mais que ele havia ganho com o trabalho. ( A ibogaína passou na primeira fase do teste.kkk)
Bem, para a maioria das pessoas isto são atitudes normais, mas não para nós. Por isso até o momento, estou surpresa e muito satisfeita com o resultado deste tratamento. Realmente é parecido com todos os relatos que li e ouvi de pessoas que já fizeram o mesmo tratamento.
Estou aqui dividindo minha expêriencia com vocês meus queridos, na esperança de que mais pessoas possam ser ajudadas com este tratamento.
Agora respondendo a segunda pergunta: Na ''MINHA'' opinião, até que me provem o contrário, a Ibogaína não cura a adicção, ela paralisa a progressão da dependência química na vida do adicto.





Dependência química é uma coisa, Adicção é outra . Esta é a minha opinião.
Uma vez adicto, sempre adicto. Adicção é uma doença que o adicto nasce com ela, o uso de drogas é apenas uma consequência da doença. Um adicto é simplesmente uma pessoa cuja a vida é controlada pelas compulsões, e estas compulsões podem variar muito.
Dependente químico:É um vicíado em qualquer tipo de drogas, o qual entrou e pensava que quando quisesse poderia deixar. Portanto meses ou quem sabe anos se passaram e o indivíduo que pensava de uma forma, infelizmente tornou-se um dependente ou escravo de algo que ainda sabendo que o destrói, a cada dia sente-se incapaz de reagir contra o mal que o destrói
Todo dependente químico é um adicto, mas nem todo adicto é dependente químico.
Na minha cabeça, uma pessoa que passa por um longo período de sobriedade ( anos) sem fazer o uso de substâncias químicas ou seja as drogas, não sente mais as fissuras, as crises de abstinência, sua vida já não é mais dominada pelo vício, mas sim por suas próprias vontades e decisões, deixa de ser um dependente químico. Seu corpo não depende mais daquela substância, e você já não é mais escravo das drogas. Então você é um adicto em recuperação, mas não mais dependente daquela substância química. É obvio que se você voltar a fazer o uso da mesma substância química, volta a se tornar um escravo da droga ou um dependente dela. Eu só sou dependente, se dependo ou sou escravo de algo ou de alguém, fisicamente ou psicologicamente falando.
Por exemplo, um filho só é dependente dos pais enquanto são crianças, ou dependem financeiramente deles. Se acaso este mesmo filho, cresce, arruma um emprego e sai de casa para construir sua vida, ele deixa de ser dependente dos pais e passa a ser responsável por si.
Do mesmo modo que uma pessoa que deixou de fumar a muitos anos deixa de ser dependente da nicotina. Mas é claro que se ela decidir voltar a fumar, no mesmo momento se torna dependente novamente. Do mesmo modo que um obeso, quando decide a fazer uma dieta de reeducação alimentar, ele que era viciado ou dependente da comida em demasia, reaprende a se alimentar de forma correta e saudável e não mais depende daquele estilo de alimentação para sobreviver.
O que eu acredito que a Ibogaína faz, é, segundo o que pesquisei  e pelo que estou podendo comprovar;- Ela neutraliza a parte do cérebro do adicto que é responsável pelo prazer que ele sente pelo uso da droga, fazendo com que ele esqueça todas as sensações e prazeres do tempo do uso, eliminando a dependência que ele tem sobre as substâncias químicas. Nada de crises de abstinência, euforia, desânimo, depressão e todos aqueles sintomas característicos da dependência química.
Ou seja, ele deixa de ser um dependente das drogas, mas continua sendo um adicto, que pode ou não entrar em recuperação. Isso depende do ''querer''dele. A ibogaína não muda o comportamento, nem os defeitos de caráter da adicção,(ELA NÃO FAZ MILAGRES) por isso é indicado após o tratamento, o paciente obter um novo estilo de vida, como a pratica de exercícios físicos, trabalhar (o que ajuda muito na recuperação e na auto estima) manter uma vida harmônica com seus familiares, e buscar uma espiritualidade, não importa qual seja sua religião.
Faz parte do tratamento, continuar fazendo terapias regularmente para que possam ser trabalhados estes comportamentos compulsivos e defeitos de caráter característicos da adicção.
Adicção é tratada com terapia comportamental, novos estudos de mapeamento do cérebro estão mostrando que tratamento comportamentais, do tipo psicoterapia, e remédios agem igualmente alterando as funções cerebrais. Então, adicção é uma doença do cérebro que pode ser tratada mudando funções cerebrais, através de diversos tipos de tratamentos.
Meus queridos, existem muitas e muitas pessoas sendo enganadas, por pessoas de má fé (golpistas), que estão supostamente vendendo a Ibogaína pela internet, por um preço relativamente baixo, para que a pessoa tome o medicamento sozinha em casa. Não caiam nessa, o tratamento tem que ser feito por pessoas especializadas, e não são todos que podem fazer, por isso tem os testes antes das sessões. 

Como eu já disse no post anterior, não é somente tomar as cápsulas e vir embora para casa, tem todo um acompanhamento médico, sessões de terapias e até mesmo a alimentação precisa ser completamente mudada por um tempo. A maior dificuldade que ele tem enfrentado é de não poder tomar o café que ele tanto gosta, refrigerantes, algumas frutas e certos tipos de alimentos...Mas tudo isso por apenas 60 dias, depois tudo vai normalizando aos poucos.
Eu já mencionei, mas não custa ressaltar que, existem poucos lugares no Brasil que faz este tratamento com seriedade, e dão todo suporte para o familiar e paciente adicto.
Meu marido hoje faz 29 dias que está limpo. Ele está feliz, e a todo momento agradece a Deus pela oportunidade de poder ter feito este tratamento. 
Esta semana tivemos algumas discussões...Coisas de casal. Antes ele não tinha estrutura nem para ''discutir a relação''. Tudo era motivo para sair, beber, recair e ainda por cima colocar a culpa de suas insanidades em mim. Claro que se eu disser, que o comportamento dele mudou totalmente e ele está um anjinho, estarei mentindo, ele está bem mais calmo, mas como eu disse, são as terapias que vão ajudar a mudar estes comportamentos característicos da adicção. Mas só o fato dele não sentir mais vontade de se drogar, poder viajar sozinho, ter novamente o controle de sua própria vida, não tem preço.É muito mais fácil você se manter em recuperação quando se perde totalmente o desejo pela droga. É gratificante demais para eu, depois de tanto tempo, vê-lo assim. 
Vou continuar relatando como tem sido os dias dele depois deste tratamento. Se puder ajudar ao menos uma pessoa, dividindo esta minha experiência com vocês já terá valido a pena.


Quem quiser mais detalhes sobre o tratamento entre em contato comigo pelo Face (link na lateral do blog),as vezes não consigo responder rapidamente a todas mensagens, mas responderei todas, tenham paciência com esta vovó coruja, kkkkk podem também, me mandar um e-mail para:

lucianamarcelin@gmail.com.

Desejo a todos uma semana repleta de bençãos, paz e serenidade!!! Amo vocês incondicionalmente.


11 comentários:

  1. Sou um adicto em recuperação. Minha família não sabia que eu era usuário. Só ficou sabendo depois de algum tempo que comecei frequentar reuniões de NA. Não passei por clínicas, sou movido apenas pelo desejo de permanecer limpo em recuperação. Me identifico com NA, porém acredito não ser o único caminho. Tem vários caminhos na busca pela recuperação. Qualquer um vai funcionar, desde que o adicto pratique o que é sugerido.

    ResponderExcluir
  2. boa noite li essa abordagem da ibigaína e estou muito interessada em usar no meu filho que é dependente quimico à 17 anos hoje ele se encontrar na cracolandia e nao consigo tirar ele de lá interno ele e o mesmo foge voce poderia me sugerir um local sério para eu ver se posso implantar esse tratamento de ibogaína comele? se puder me responda pelo e-mail marcia.preite@hotmail.com me ajude por favor estou pensando em até entrar com pedido de internação involuntária ou compulsoria vou procurar recursos junto ao estado para fazer esse tratamento pedindo orientação de um advogado mas vou pedir ajuda aos meus familiares mas preciso provar que o tratamento tem pelo menos 80% de eficácia. Aguardo resposta pois temo pela vida dele nas ruas


    ResponderExcluir
  3. boa noite li essa abordagem da ibogaína e estou muito interessada em usar no meu filho que é dependente químico à 17 anos hoje ele se encontrar na crakolandia e nao consigo tirar ele de lá interno ele e o mesmo foge voce poderia me sugerir um local sério para eu ver se posso implantar esse tratamento de ibogaína com ele? se puder me responda pelo e-mail marcia.preite@hotmail.com me ajude por favor estou pensando em até entrar com pedido de internação involuntária ou compulsoria vou procurar recursos junto ao estado para fazer esse tratamento pedindo orientação de um advogado mas vou pedir ajuda aos meus familiares mas preciso provar que o tratamento tem pelo menos 80% de eficácia. Aguardo resposta pois temo pela vida dele nas ruas

    ResponderExcluir
  4. Preciso de informação de clínica confiável involuntária, pois meu filho está na rua e não aceita mais ser internado depois de estar por 08 vezes internado em várias clínicas.
    Aurora Dalva Capuano - email: auroracapuano@gmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá... te mandei um email com meu contato para conversarmos melhor.

      Excluir
    2. faça uma proposta de frequentar umas das diverças reunioes de narcoticos anonimos mas pergunte-se se ele tem o desejo de parar de usar e esse o unico alisserce para parar de usar.esse eh um dos melhores possibilidades de recuperaçao a um adicto.

      Excluir
  5. Decidir abandonar,fugir de um relacionamento com um adicto que se ama,por estar adoecendo psico-emicional e fisicamente por se considerar no limite é uma opção individual,a qual pode ser considerada egoísta,mas talvez seja a única saída para a vida desta co-dependente que sou eu...sofrendo muito����

    ResponderExcluir
  6. Boa tarde minha querida, tenho um filho adicto que agora deu pra roubar a esposa, eles tem uma filhinha de 1 ano, e estava pensando de ir a cidade deles e dar entrada na internação compulsória. Mas, achei seu blog e quero experimentar o uso dessa substância, não quero perder meu filho para o vício... Me indique como consigo, sou aposentada com salário mínimo, pra sobreviver eu e meu esposo... Bem me ajude por favor!

    ResponderExcluir
  7. Oi meu esposo é adicto em recuperação havia feito alguns tratamentos de nada valeu, no dia 04/01/2017 foi internado permaneceu lá por 30 dd e nos últimos 5 dd dá internação fez o tratamento com a Ibogaina saiu dá clínica no dia 2 de fevereiro e está bem sem crises de abstinência

    ResponderExcluir
  8. Bom dia meu nome é Adriana
    Meu marido é adicto consumia álcool e maconha.
    Depois de algumas tentativas frustadas de parar de beber ( caps, quelanol) pesquisamos algumas clínicas e encontramos a opção dá clínica Grupo Vida ficou um período de abstinência e fez o uso dá Ibogaina porém eu lendo seu relato vi q mencionou alguns cuidados com o pós tratamento tio não consumi café, refri e determinadas frutas correto? Nós não sabemos de nada sobre isso gostaria q vc me falasse sobre isso tentei enviar emails e não consegui, Grata

    ResponderExcluir
  9. Por favor preciso muito falar com vc me manda um email por favor immanuelle_cris@hotmail.com

    ResponderExcluir